Relatórios Anuais: o design da transparência

Uma avalanche de textos, tabelas e gráficos que comunicam os resultados e as metas de uma empresa. Parece chato, mas os Relatórios Anuais evoluíram: de livros de capa dura, sofisticados e cheios de textões, eles vêm se tornando publicações leves, criativas, com informações transmitidas por fotografias e infográficos e até mesmo publicadas em forma de hotsites.

Um dos nossos cases é o do Relatório Anual do Fundo Amazônia (para nós, RAFA), que fazemos há 10 anos. Gerido pelo BNDES, o Fundo Amazônia é o maior projeto de cooperação internacional para preservação da Floresta Amazônica, tendo como principal patrocinador o governo da Noruega.

No relatório, bilíngue e com aproximadamente 200 páginas, o foco maior é a transparência e clareza das informações, por isso são mostrados os resultados dos projetos e contadas histórias que estão acontecendo por toda a Amazônia – nos rios, nas matas, em laboratórios e pequenas propriedades rurais e até nos céus, onde satélites e helicópteros desempenham a função de fiscalização. Temos ou não temos um manancial de informações superbacanas para fazer um baita trabalho?

Desde que entrou na Refinaria, há três anos, a designer Suzanne Mendes é responsável pelo RAFA e ela diz que é um dos projetos que mais permitem o pensamento criativo:

“No meu primeiro ano, trabalhamos com ilustrações aquareladas da fauna e flora da Floresta Amazônica. No segundo, a identidade visual foi baseada nas texturas de folhas, flores, pelos e penas de animais, tramas de artesanato popular da região, cada capítulo ligado a uma cor. Agora, estamos finalizando o relatório de 2018, que traz fotografias em zoom de elementos da floresta. Mapas e infográficos sempre fazem parte da estrutura do relatório, de forma a transmitir as informações de uma forma bem clara”, explica Suzanne, lembrando que o RAFA foi seu primeiro job na Refinaria, por isso ela tem um apego emocional por ele.

Já passaram por nós também os relatórios anuais do BNDES, Fundação Gol de Letra, Instituto Desiderata, Instituto Phi, Cruzada do Menor, Casa Rio, Rede Globo e Embratel, entre outros.

“Encaramos o relatório como um instrumento de prestação de contas à sociedade, mas nesse processo temos percebido, junto com nossos clientes, que ele é principalmente um espelho capaz de refletir a autoimagem de uma organização, possibilitando os ajustes em direção à sustentabilidade de fato. Por isso, os relatórios têm se modificado tanto nos últimos anos, alguns deixando de ser impressos para transformar-se em hotsites com animações e outras funcionalidades ou priorizando infográficos para deixar de ser um livro pesado com dados complexos”, destaca Valerie Tomsic, sócia-fundadora da Refinaria.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *